sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

105º Aniversário do regicídio



 
 
 
Cumprem-se hoje 105 anos do regicídio, em que o Rei D. Carlos e o seu filho, Luís Filipe, sucessor do trono, foram vergonhosamente mortos pela cáfila republicana que não deixou de se inspirar largamente nos modelos ditos modernistas; de uma nova visão de um mundo onde a ética e a moral sejam a todo o momento redefinidas.
 
Nem uma única notícia nos jornais ditos de referência, nem um cantinho, nem uma vírgula... triste apologética dos tempos, sinal claro da utopia avassaladora que toma conta de tudo e todos. Os Portugueses, de uma forma geral, não conhecem a história, e assim sendo, perdem o contacto com os ensinamentos que daí poderiam retirar. A "história" está mal contada, pior compreendida e nada sentida.
 
Esta tentativa de apagar o passado à força tem objectivos muito claros, quanto menos pessoas souberem dos factos melhor, «estaremos assim afastados de qualquer tentativa revisionista», pensam e declaram os que mandam nisto (plutocracia internacional + cleptocracia nacional).
 
Se o povo começar a estudar algo sobre D. Carlos, poderá "assustar-se" com certas informações, e, tal informação a cruzar-se com o que nos deram durante 113 anos, poderá levar esse povo a exigir o restabelecimento imediato da monarquia.